Na média, custo de arenas cresce 67%


Projetos para o Mundial de 2014 têm gasto médio de R$ 309 milhões, acréscimo de dois terços sobre previsão da CBF 

Com cinco novas praças e 12 reformadas, candidatas à Copa apresentam custos pouco inferiores ao preço do Engenhão e apelam a PPPs


MARIANA BASTOS
RODRIGO MATTOS
Hoje na Folha de S.Paulo

Pelos planos das cidades-sedes, os estádios da Copa-2014 custarão bem mais do que a estimativa inicial da CBF em 2007. A maioria dos 17 projetos envolve PPPs (Parcerias Público-Privadas), com abertura para uso de dinheiro público.
Levantamento da Folha mostra que, em média, cada arena brasileira para o Mundial terá gasto de R$ 309 milhões. Para chegar a esse número, foram consideradas as informações de 15 cidades, cujos projetos somam R$ 4,6 bilhões -Curitiba e Belo Horizonte não divulgaram valores.
Como serão 12 sedes no Mundial, o custo total ficaria em torno de R$ 3,71 bilhões, a ser mantida a média de despesas atual dos estádios.
"A CBF, atualmente, estima que os investimentos na construção e na remodelagem de estádios serão de US$ 1,1 bilhão. Essa estimativa, no entanto, vai ser significativamente influenciada pelas cidades escolhidas finalmente para receber a Copa", disse a Fifa, em relatório de outubro de 2007.
Pela cotação atual do dólar, a estimativa da confederação, que já queria 12 cidades na Copa, é de R$ 2,2 bilhões. Assim, o valor médio de cada estádio sairia por R$ 185,5 milhões.
Ou seja, a estimativa da CBF já tem aumento de 67%.
Excluídos os cinco projetos mais caros, o total fica próximo da expectativa da confederação: R$ 2,29 bilhões para 12 sedes. Mas isso tiraria cidades como Rio de Janeiro e Brasília, certas na lista da Fifa. É um cenário impossível.
Na média dos 15 orçamentos, o custo por estádio da Copa-14 até agora é pouco inferior aos R$ 380 milhões gastos no Pan de 2007 com o Engenhão, que era novo e moderno.
Agora, são 12 estádios que preveem obras e apenas cinco novos. Ressalte-se que, entre os reformados, quatro planejam remodelagem total.
Entre os projetos, quatro envolvem apenas recurso privado, pois são de clubes. São os de Curitiba (Arena da Baixada), Porto Alegre (Beira-Rio), São Paulo (Morumbi) e Florianópolis (Arena Florianópolis).
De resto, a maioria aposta em investidores para bancar as obras, por meio de PPPs. Quase todos os projetos incluem a construção de complexos comerciais, poliesportivos e de shows, por retorno financeiro.
Mas as autoridades governamentais ressalvam que o compromisso de atender à Fifa é dos Estados e das prefeituras.
Assim, Manaus e o Amazonas têm reservado verba em caixa para obras, entre elas a do novo Vivaldão. O Estado do Rio de Janeiro abriu licitação para fazer concessão do Maracanã, mas há brechas para o governo bancar parte da obra.
Em troca do investimento, o Brasil terá estádios maiores, já que a maioria das reformas prevê a ampliação. A maior delas é no Mané Garrincha, em Brasília. É também a obra mais cara: R$ 520 milhões. A mais barata é a de Rio Branco, que tem custo de R$ 116 milhões.
Uma tônica é que os projetos de estádios privados são, em geral, mais baratos. O Figueirense pretende gastar R$ 166 milhões no seu novo Orlando Scarpelli. O Internacional projetou custo de R$ 120 milhões para o Beira-Rio. O São Paulo estima R$ 135,7 milhões de verba para adequar o Morumbi. Eles almejam parcerias.
São exceções. A CBF prometeu uma Copa só com dinheiro privado em estádios, entretanto não é o que mostram os milhões planejados por Estados.

Manaus: 6 bi
Para lutar pela vaga amazônica na Copa, Manaus tem um projeto faraônico. O objetivo é investir R$ 6 bilhões em megaobras até o Mundial.
Para efeito de comparação, o Pan-2007, que reunia todos os esportes olímpicos em uma só cidade, consumiu R$ 3,7 bilhões no Rio de Janeiro.
Ressalte-se que a capital do Amazonas projeta metrô de superfície, ampliação do aeroporto, reformas de CTs, centro de convenção, shopping e hotéis. Em 2007, o Rio fez instalações esportivas e poucas reformas estruturais.
Para o Mundial-14, o governo amazonense diz que pode bancar R$ 4,8 bilhões com seu próprio orçamento, mas espera contar com recursos de empresas privadas de capital nacional e internacional instaladas na Zona Franca.
O projeto de Manaus como cidade-sede é desenvolvido em parceria com a consultoria Deloitte Touche Tohmatsu, que atua na Copa-2010, na África do Sul. Para o governador Eduardo Braga (PMDB), é possível "combinar equações entre a iniciativa privada e o poder público".
E negou que o projeto seja faraônico. "Não é o mais caro. Isso é uma inverdade. Nós estamos falando do projeto completo de viabilidade para a Copa. Os outros estão falando só do estádio de futebol."
Dentro dos investimentos previstos para Manaus, há os gastos com o estádio Vivaldo Lima.
Inaugurado em 1970, foi reformado em 1995, quando o Vivaldão consumiu US$ 20 milhões em equipamentos modernos.
O estádio será implodido para os jogos da Copa. No projeto, realizado pela empresa de arquitetura GMP, que projetou o estádio Olímpico de Berlim, o novo Vivaldão terá forma de arena multiuso. A engenharia e a arquitetura serão sustentáveis. O custo é de R$ 500 milhões.
O Vivaldão terá 47.750 lugares, restaurantes (um com vista para o gramado), lojas e, talvez, um museu. O estacionamento terá 12.450 vagas, incluindo edifícios-garagem.
Como o estádio fica ao lado da sede da vila olímpica, do sambódromo e de uma quadra poliesportiva, os prédios serão incorporados ao projeto. Mas tudo será reformado.
Um dos articuladores do projeto da Copa em Manaus, o secretário de Estado de Planejamento, Denis Minev, diz que o investimento não se transformará em um "elefante branco". "A Fifa exige um estádio de altíssima qualidade. Nós sabemos que o nosso futebol hoje não comportaria e não justificaria um estádio como esse. O conceito hoje é que tudo seja um complexo esportivo, uma forma de energizar aquela área."
O futebol amazonense viveu o auge nos anos 70, com times participando do Brasileiro. Hoje, apenas dez clubes disputam o Estadual do Amazonas. Só há equipes na Série D do Nacional. E é difícil ultrapassar a marca de 5.000 pagantes no Vivaldão, em jogos profissionais locais.

Leia mais clicando aqui.


Nenhuma tag cadastrada
Postado em 27/05/2009 às 21h39

*Comente este texto:
*Seu nome:
*E-mail (não será publicado):
Site (inclua o http://)
*Preencha a resposta:

* campos obrigatórios. Os comentários são mediados, portanto, aguarde a liberação.

karla Moreno disse em 27/05/09 | 21:39
10 anos de irresponsabilidades: DESCOBRIMOS QUE O VERDADEIRO MOTIVO DA DESQUALIFICAÇÃO DA CIDADE DE GOIÂNIA PARA A COPA, FOI A VISITA (VISTORIA) QUE FIZERAM NAS OBRAS DO AEROPORTO E DO COMPLEXO ESPORTIVO DO ANTIGO ESTÁDIO OLÍMPICO... FATO É, QUE DESCOBRIRAM QUE TODO O DINHEIRO QUE O GOVERNO FEDERAL ENVIA PARA O ESTADO ADMINISTRAR SOME DO MAPA,ISTO É, DESCOBRIRAM QUE REMEXEM TERRA DE UM LADO PARA O OUTRO E A OBRA NÃO SAI!!! CONCLUSÃO: COMO PODERIAM CONFIAR NA REFORMA DO ESTÁDIO SERRA DOURADA? SERIA SÓ DINHEIRO SUMINDO E NADA!


 

Qual oposição é mais fraca?
A oposição à presidenta Dilma
A oposição ao governo Marconi
A oposição ao prefeito Paulo Garcia

 

Seu nome:

Seu email:


 



Licença Creative CommonsJornal X 2005 - 2011. Blog do jornalista Eduardo Horácio.
Compartilhe à vontade, mas mantenha os créditos e não altere os textos =D